Atendimento Nacional (11) 3133.5766
Mulher usando equipamentos de proteção

Mapa de risco: o que é e por que é essencial nas empresas?

O mapa de risco é um recurso para verificar o ambiente e identificar quais possíveis riscos de acidentes o local pode causar. Esse recurso ajuda as empresas a identificarem e priorizarem as ameaças associadas ao seu negócio.

O objetivo é melhorar a compreensão da empresa sobre seu perfil, esclarecer o pensamento sobre a natureza e impacto dos contratempos, além de melhorar o modelo de avaliação.

Esse recurso possibilita mapear e visualizar problemas de saúde ou segurança sobrepostos em um ambiente. Por cores padronizadas, são localizados lugares na planta de uma indústria, por exemplo, e mostra onde pode haver risco, fornecendo importantes contextos espaciais ou geográficos.

A ferramenta é eficaz para a segurança do trabalho e ajuda os gestores a reunirem informações sobre como proteger seus funcionários. O recurso pode ser aplicado a vários problemas, como produtos químicos e exposição ao ruído.

Os trabalhadores envolvidos no processo aprendem coletando conhecimento sobre os perigos que seus colegas enfrentam. Ao aprender, eles podem trabalhar juntos para eliminar ou reduzir os riscos que causam acidentes e lesões.

Para criar o  mapa de risco, uma equipe pode realizar a avaliação do ambiente e, em seguida, documentar o que encontraram. Afinal, uma imagem vale mais que mil palavras e a representação visual mostra onde existem perigos.

Para ajudar sua empresa a compreender a importância desse recurso, reunimos neste artigo, informações importantes. Continue a leitura e aproveite!

O que é mapa de risco e como fazer?

O mapa de risco deve ser desenvolvido pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) com a ajuda do Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT).

A função do documento é representar o layout de uma empresa. Para isso, conta com figuras como círculos coloridos para marcar os lugares onde podem acontecer acidentes, por exemplo.

Assim, cada espaço que apresentar algum risco receberá uma indicação por cor, conforme o perigo que representa.

No mapeamento são utilizadas cores para identificar cada ameaça que pode surgir nas instalações da empresa. Além disso, também há uma classificação de intensidade conforme o tamanho do círculo usado com objetivo de demarcar as áreas. Assim, o risco pode variar entre pequeno, médio e grande.

Dessa forma, todos saberão identificar quais Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) precisarão utilizar em determinadas áreas da companhia.

Tipos de riscos que devem ser mapeados

Embora o termo “risco” seja bastante generalista, existem algumas classificações diferentes que ajudam a colocá-lo em um contexto mais concreto. Então, confira os principais perigos que afetam as empresas identificados por cores:

  • vermelho = químicos: exposição a fumaça, odores desagradáveis ou tóxicos;
  • azul = acidentes: causados pela falta de organização e estrutura no ambiente de trabalho, iluminação inadequada ou quando a empresa não fornece os EPIs corretos;
  • marrom = biológicos: exposição a vírus, bactérias e fungos, além da presença de insetos ou outros animais nocivos;
  • amarelo = ergonômicos: atividades que provoquem a Lesão por Esforço Repetitivo (LER), peso em excesso na realização de algumas tarefas, postura inadequada;
  • verde = físicos: umidade em excesso, ruído excessivo e temperaturas altas ou baixas demais.

Além dos círculos é importante incluir legendas para facilitar a compreensão sobre os perigos e números que classificam os problemas. Dessa forma, os daltônicos poderão interpretar com mais facilidade.

Quando um mapa de risco fica pronto deve ser fixado em locais visíveis, onde todos possam consultar. O propósito é conscientizar os funcionários e gestores para se tornarem mais cuidadosos.

Caso seja realizada alguma mudança nos ambientes, deve ser feita uma atualização. Assim, se acontecer alterações na planta da fábrica ou um novo equipamento que precise de atenção para evitar acidentes, o mapa de risco ainda será um guia completo.

A importância do mapa de riscos

Para as empresas, o mapa de riscos consiste na capacidade de conter catástrofes naturais, econômicas e sociais que provavelmente comprometerão suas operações.

Embora seja impossível evitar que certos contratempos aconteçam, a prevenção contínua é a melhor maneira de controlar riscos potenciais e mitigar seu impacto. Essa análise busca diversos objetivos:

  • proporcionar a infraestrutura e os EPIs adequados;
  • facilitar o compartilhamento de informações entre os funcionários e gestores;
  • apresentar planos de ação para evitar a ocorrência de acidentes e mitigar suas consequências;
  • reunir dados importantes para diagnosticar a situação e verificar como o ambiente se encontra em saúde, bem-estar e segurança;
  • fornecer aos tomadores de decisão uma visão abrangente das vulnerabilidades e fomentar a segurança para os profissionais;
  • envolver os trabalhadores garante que uma abordagem coletiva seja desenvolvida, protegendo indivíduos que possam temer não serem ouvidos ou apontados pela gestão.

Consequências de não ter um mapa de riscos

Conforme a Norma Regulamentar 1 (NR 1), os empregadores são responsáveis ​​pelo cumprimento dos requisitos legais relacionados à segurança do trabalho e assistência médica, incluindo a criação de mapas de risco.

Já a NR5 estabelece que a CIPA deve ser responsável pela elaboração do mapa de riscos e adotar o modelo com classificação de cores mencionado anteriormente.

Por esse motivo, o descumprimento gera penalidades legais e os valores das multas estão previstos na NR 28, variando conforme o número de funcionários.

No entanto, as consequências vão além das penalidades, já que a falta de planos amplia as chances de danos à saúde. Isso cria o direito à indenização e impõe punições mais severas às pessoas jurídicas.

Quando uma empresa não faz o mapa de risco pode ser multada pelo Ministério do Trabalho. Porém, o valor é determinado conforme o seu tamanho. Como se não bastasse, existirá a possibilidade de a sua credibilidade ser afetada se o mercado tomar conhecimento dessa situação.

Afinal, o principal objetivo desse recurso é proteger os funcionários e preservar sua saúde. Se o mapeamento não é realizado, isso indica problemas estruturais na gestão e falta de preocupação com as pessoas, algo que os consumidores podem interpretar como negativo.

Conforme o risco, o dano gerado nos trabalhadores tem potencial de ser irreparável e causar prejuízos permanentes a eles ou suas famílias.

Por isso, não ter um mapa de risco também pode aumentar o número de acidentes de trabalho, de funcionários afastados ou manchar a reputação da empresa.

Conte com um especialista

Embora não seja possível eliminar todos os riscos do negócio, o planejamento faz toda a diferença. A conscientização é fundamental para economizar dinheiro e tempo, protegendo a confiança, reputação e base de clientes que você trabalhou tanto para alcançar.

As transformações envolvem mudanças comportamentais significativas. Abordar novas demandas e construir habilidades requer uma gestão cuidadosa.

As organizações transformadas com sucesso sabem, no entanto, que as recompensas — maior eficácia de gerenciamento de riscos a um custo menor — valem a pena o desafio.

Por esse motivo, contar com uma empresa especializada para elaborar o mapa de risco completo fará toda a diferença. 

O que você achou sobre mapa de risco? Se quiser saber mais, sugerimos a leitura do artigo Análise de riscos: entenda o que é e como fazer.

Mapa de risco: o que é e por que é essencial nas empresas?

Categorias